Gif com o logo da Treetech para guias rápidos.

    Comumente os transformadores sofrem oscilações na tensão de carga impedindo uma completa estabilização em sua tensão nominal. Dado esse fato o SDV permite, através de seus parâmetros, definir qual o limite aceitável de variação em relação à tensão nominal.


TENSÃO NOMINAL
Para parametrizar a tensão nominal, basta acessar o menu de parametrização (Pressionar e segurar a tecla P, depois inserir a senha (padrão 0) e confirmar com a tecla Enter) e, no menu Conj. Regulação, configurar o parâmetro “Tensão Nominal”:

Telas do sub-menu regulação


DESVIO
    É possível definir margens relativas à tensão nominal. Essas margens definem os limites superiores e inferiores aceitáveis da tensão. 

Gráfico sobre desvio

TIPO DE TEMPORIZAÇÃO

    Sempre que a tensão se encontrar fora dos limites definidos por um período maior do que o aceitável, é executado o comando de comutação para regularizar e manter a estabilidade e qualidade do sistema.

    Existem duas formas de definir o que é o “tempo aceitável”, o tipo linear e o inverso.

 

TEMPORIZAÇÃO LINEAR E DEGRAUS

    No modelo linear é possível definir 3 dos chamados “degraus”. Cada degrau pode ter um ajuste diferente de desvio e tempo, dessa forma, para cada desvio ultrapassado, ele aguarda diferentes tempos para enviar o comando de executar comutação.

    O tempo de espera é importante para evitar comutações desnecessárias, realizadas quando a tensão excede o limite por pouquíssimo tempo.

    A variedade de degraus é uma funcionalidade extremamente útil dado ao fato que, uma oscilação da tensão que a leve muito longe da tensão nominal, deve ter um tempo de espera menor para comutação do que uma variação de tensão mais próxima à nominal, mesmo que ambas já tenham ultrapassado os limites definidos.

Gráfico sobre temporização linear

    Os parâmetros de desvio e tempo para comutação de cada degrau podem ser alterados. Acesse-os seguindo o mapa de menus ilustrado a seguir: 


Diagrama com as abas do sub-menu regulação


TEMPORIZAÇÃO INVERSA

    No modelo de temporização inversa o tempo de espera é inversamente proporcional ao desvio da tensão medida. Ou seja, quanto mais a tensão se distanciar dos limites definidos, menor será o tempo de espera para comutação, diferentemente do modelo linear, onde o tempo é definido em 3 diferentes desvios, o tipo inverso regula em tempo real o valor da espera dependendo da distância do limite estabelecido no degrau 1.

Gráfico sobre temporização inversa

Cálculo de tempo efetivo

    Os parâmetros de desvio e tempo para comutação utilizados como referência podem ser alterados no degrau 1. Acesse-os seguindo o mapa de menus ilustrado a seguir: 

Parâmetros de desvio e temporização

TEMPO SUBSEQUENTE

    Caso haja uma comutação e essa não seja suficiente para colocar a tensão dentro dos níveis aceitáveis, serão realizadas outras comutações até que a tensão esteja dentro dos limites. O tempo de espera para realizar essas comutações subsequentes é definido no parâmetro Tempo subseq. e independe do degrau onde a tensão se encontra.

Configurações de tempo subsequente


    Abaixo ilustramos um exemplo onde o equipamento tem a parametrização:

  • Tensão nominal: 115 V;

  • Tipo de temporização: Linear;

  • Tempo para baixar do degrau 2: 25 s;

  • Tempo subsequente: 10 s.

Gráfico de exemplo